Your Heading

rebostejos

sobre o rebostejos

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam,

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

O Grande Robocop Branco do Futuro
  Revi dois filmes que marcaram a minha infância, verdadeiros clássicos dos anos 80: O Grande Dragão Branco (1988) e Robocop - O Policial do Futuro (1987).  

o-grande-dragao-branco

  Lembro que um amigo viu "O Grande Dragão..." no cinema e contou todo empolgado sobre o "kumite", o "dim mak" e sobre as lutas de kung fu, mas eu só pude conferir habilidades de Frank Dux e as maldades do vilão Chong Li quando apareceu uma cópia pirata do filme em videocassete. Karate Kid e seu golpe de borboleta então perderam espaço: entre a molecada o legal passou ser brincar de luta até fazer o seu amigo pedir "matte"! Mas apesar da memória afetiva, eu já esperava encontrar algo ruim quando o filme passou na tv a cabo dias atrás. Confesso, porém, que tive uma grande surpresa: "O Grande Dragão" é muito pior do que eu imaginava! E a canastrice do Van Damme nem é o maior problema! Tudo ficou datado demais, tudo é caricato demais, tudo é mal feito demais! Até a coreografia das lutas deixa a desejar, pois é possível perceber que vários golpes passam muito longe do adversário. Para quem gosta de filmes trash, é uma grande pedida, diversão garantida. Ninguém imaginaria que Forrest Whitaker ganharia um Oscar anos depois de fazer um papel secundário nessa bomba.   dragão branco   Frustrante mesmo foi pesquisar sobre a história do cara que serviu como inspiração para o filme, o tal Frank W. Dux, suposto campeão de 7 edições do Kumite e detentor de centenas de milhares de recordes. Disse "suposto" porque seu currículo vencedor pode ser uma mentira: o jornal Los Angeles Times fez uma matéria contando que não há nenhuma comprovação dos seus feitos, e que os troféus que ele exibe foram comprados em uma loja perto da sua casa. Que mundo é esse que não se pode acreditar numa história em que o Van Damme consegue ser mais rápido que um fechar de mão, e que ele cego luta melhor do que enxergando?   ***   robocop poster   Robocop foi outra surpresa, porém, positiva. O filme tem hoje o status de cult, e não é à toa. A sua ironia e cinismo mantém-se interessantes, e até os efeitos especiais continuam bacanas (tá, quando aparece o robô-vilão ED 209 as trucagens ficam evidentes, mas ainda assim é tudo bem feito). A história do filme é atual (a tecnologia faz maravilhas mas convivemos ainda com violência, injustiça, grandes corporações e mídia sensacionalista) e existem grandes sacadas, embora nem tudo seja perfeito - incomoda que em uma Detroit tão caótica sejam sempre os mesmos vilões que se metem a fazer tudo, desde roubar um posto de gasolina a matar executivos. O diretor brasileiro José Padilha está dirigindo um remake de Robocop, mas duvido muito que este novo filme possa ser tão explicitamente violento quanto o original.  As cenas fortes podem chocar os mais novos, mas antigamente era mais comum encontrar sangue e sexo no cinema. Hoje tudo é feito para preservar a indicação para maiores de 13 anos, senão não dá pra vender bonequinho no McDonalds...   robocop cabeção      

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.