Your Heading

rebostejos

sobre o rebostejos

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam,

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Protejam os radicais livres
  No começo dos anos 90, quando eu estava no ensino médio, cheguei a participar de atos pelo transporte público gratuito para os estudantes de Jacareí. O movimento durou pouco, mas lembro de uma grande passeata que saiu da Praça Conde de Frontin e deu a volta na cidade. Quando chegamos na Praça dos Três Poderes aconteceram vários discursos, e até o Senador Suplicy apareceu para dar seu apoio e falar sobre seu programa de renda mínima. Foi o primeiro movimento político de que de certa forma fiz parte, e a manifestação foi um grande evento: teve palavras de ordem, cantos, cartazes, bandeiras e até paquera. Tudo foi muito tranquilo e a polícia acompanhou sem incomodar. No dia seguinte, porém, a notícia que virou manchete não foram os centenas de milhares de estudantes que reclamavam pela cidade, mas sim uma banca de jornais que teria sido vandalizada durante a passeata. Eu nem vi o ocorrido, mas por culpa de uma meia dúzia de manés  todo o movimento foi taxado de desordeiro e criminoso. A reinvidicação feita em São Paulo de transporte gratuito para todos não é, portanto,  uma novidade, embora seja mais ampla (e irreal) do que o pedido de passe livre para estudantes que fizemos em Jacareí. Mas não acredite que é só por isso que as pessoas estão reclamando - tampouco é pelos R$ 0,20 de aumento das passagens. Existe algo a mais no ar. O interessante é que no começo da semana quase toda a opinião pública era contra a "arruaça" que era mostrada na tv (pois a manifestação era apresentada como se fosse somente isso), mas a reação da PM na última quinta-feira foi tão desproporcional e covarde que a população começou a simpatizar com aqueles que estão nas ruas. Também ajudou a mudar o tom das reportagens sobre assunto o fato da polícia ter atacado jornalistas, e a forte repressão aos protestos próximos aos jogos da Copa das Confederações possivelmente dará mais força ao movimento. Protestar é saudável e necessário para uma sociedade, e é muito bom que tenhamos pessoas dispostas a lutar por suas causas, embora não devamos romantizar e achar que todos os que estão nas ruas são heróis. Muitos que estão ali são incapazes de dialogar porque sonham que estão começando a revolução que derrotará o capitalismo e a terminará na tomada do poder pelo proletariado camponês, e outros tantos querem apenas ver o circo pegar fogo. Todavia, ainda assim acredito que a maioria vai legitimamente para protestar pelo que acha certo. Seja como for, não é permitido a um Estado Democrático que qualquer movimento seja sufocado por cassetete, bomba e bala de borracha, seja qual for a bandeira levantada. As manifestações causam algum incômodo? Certamente, mas se não fosse assim não seriam notadas. Faz parte de jogo. As depredações têm que ser evitadas ? Claro, mas sem o abuso da força. O único jeito de não causar transtorno, de fazer tudo mansa e pacificamente, é continuar a tentar mudar o mundo teclando "verdades" pela internet. Acho, porém, que é um método pouco produtivo. E como alguém lembrou, se não fossem os radicais a Bastilha estaria aí até hoje...   993005_639621839398450_1934075459_a    

2 thoughts on “Protejam os radicais livres

  1. Wagner.

    Não sei se estou entendo mal essas manifestações, mas a impressão que tenho e que a manifestação do saco cheio, as pessoas não aguentam mais determinadas situações e estão indo pra ruas apresentarem as mais diversas e variadas reinvidicações. O que eu acho interessante e estranho é isso: as reclamações de uns não são as reclamações de outros, fora que as vezes os protestos chegam a ser contraditórios entre si, Não tenho a menor idéia de onde isso vai dar. Abraços. Leo.

    1. Léo, ninguém está entendendo nada dessas manifestações. Acho que a maioria que está indo pras ruas agora nem sabe o motivo pelo qual saiu de casa. O problema é que quem reclama de tudo, na verdade não reclama de nada.
      Ou não…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.