Your Heading

rebostejos

sobre o rebostejos

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam,

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Barbada
 

barba

  Acho que no primeiro dia ninguém havia notado, mas já na segunda manhã uma colega de trabalho perguntou: - Não fez a barba? - Não, não fiz, nem vou fazer! - respondeu ele cheio de convicção. A colega deu um sorriso com desdém e não levou a sério, até que mais dois dias depois voltou a tocar no assunto: - Você não vai mesmo fazer essa barba? A resposta de Osvaldo foi novamente negativa. Depois de anos e anos barbeando-se todas as manhãs, ele estava decidido a não usar a gilete novamente. Quem não gostou nada da novidade foi Cleide, a mulher do Osvaldo, que passou a falar mal da nova aparência do marido. "Isso é sinal de desleixo", dizia ela, sem convencê-lo. Cleide então parou de beijá-lo, reclamando que pinicava, mas nem isso o fez mudar de opinião. Com o passar dos dias algumas pessoas se acostumaram. Foi engraçado quando os amigos começaram a chamar Osvaldo de o "George Clooney do Nova Esperança", mas à medida que o comprimento foi crescendo o assunto foi se tornando cada vez mais polêmico. As filhas de Osvaldo também pararam de beijar o pai, e a mulher, que jamais aprovara o novo visual do marido, estava transtornada. Ouvia Cleide falar da barba de manhã, de tarde e de noite, e seus xingamentos começaram a se tornar cada vez mais duros: sapo barbudo, bode sujo, porco peludo e cara de maconheiro foram os mais suaves - os outros nomes nem posso contar! Os apelidos dados pelos amigos também foram mudando: de George Clooney passou para Lula, depois para Talibã, para Papai Noel, finalmente, Bin Laden. Mas antes de chegar a este ponto Cleide já tinha saído de casa. Muitos vieram falar com Osvaldo, mas sempre  foi inútil. Ele não entendia o motivo de tanta perseguição ao seu visual, achava que um homem era livre para fazer o que quisesse com seus pelos faciais. Entretanto, mesmo as pessoas mais democráticas começaram a se afastar, e chegou um dia em que seu chefe deu um ultimato: ou ele se barbeava ou ia pra rua. A resposta, que me encheu de orgulho, Osvaldo deixou escrita sobre a mesa vazia do escritório: "Jamais!" Mas o tempo foi passando e, por mais que eu estivesse ali, era evidente que Osvaldo começou a sentir a solidão. O brilho nos olhos de quando ele se via no espelho havia sumido, e os sorrisos passaram a ser raros e tristes. Os comentários nas ruas, que antes o enchiam de orgulho, tornaram-se maldosos e humilhantes, o que tornou Osvaldo um recluso. "O novo Matusalém" foi o último apelido que lhe deram. Diante daquele quadro, não tive outra alternativa. Apesar de termos passado grandes momentos juntos, entendi que o melhor era deixá-lo, por isso me desprendi fio a fio e o deixei hoje pela manhã. Sei que ele vai se assustar, mas espero que entenda que fiz isso por amor.    

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.