Your Heading

rebostejos

sobre o rebostejos

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam,

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Batman e eu
      Lembro-me perfeitamente daquele dia. No extinto Jornal da Tarde saiu uma matéria dando destaque ao lançamento de uma revista do Batman que trazia uma perspectiva mais adulta e contemporânea às suas histórias. Eu não gostava de quadrinhos de super-heróis, mas achei interessante a ideia de um Batman envelhecido, soturno e violento, bem diferente da imagem que eu tinha da série da TV e dos desenhos dos Superamigos, e por isso resolvi dar uma chance para o mascarado. À tarde fui até a banca e ao supermercado e voltei com a revista e uma barra de chocolate, que levei para o meu quarto escondida para não dividir com ninguém. Sem exagero, ao final daquela leitura o meu mundo tinha se transformado.   ***   Seria muito mais bonito se eu dissesse que o final da minha infância foi marcado por Proust, Hesse ou Camus, mas foi Frank Miller, com uma história em quadrinhos, que me levou à adolescência. Foi a partir de então que me interessei pelas referências e descobri todo um universo de cultura pop. Passei até a desenhar, e meu sonho não era mais montar uma banda com meu primo e sim publicar as histórias dos personagens que criava. Fui atrás dos trabalhos de Miller com o Demolidor, li os X-Men do Chris Claremont, adorava tudo o que o John Birne fazia, mas o meu preferido sempre foi o Batman.     *** O sucesso dos quadrinhos foi tão grande que sempre houve expectativa a cada lançamento de filme, mas os quatro primeiro foram experiências, no mínimo, frustrantes. A crítica gosta dos dois primeiros, contudo tenho pra mim que Tim Burton é um cineasta superestimado - a bela cenografia de seus filmes geralmente não sustenta as seu jeito fraco de contar histórias. Já os dois outros, do Joel Schumacher, são verdadeiras bombas, e a única coisa que se salva é a música do U2 para Batman Forever   http://www.youtube.com/watch?v=n8FAO2-cHaE   ***   Falei disso tudo pra contar que vi O CAVALEIRO DAS TREVAS RESSURGE. É um filme muito bom, superior ao primeiro dessa nova trilogia (BATMAN BEGINS), mas não é tão impactante quanto o segundo (O CAVALEIRO DAS TREVAS). Os iniciados nas histórias do morcego reconhecerão algumas ideias na tela (principalmente das sagas O MESSIAS, TERRA DE NINGUÉM e os trabalhos do Frank Miller, claro), e embora existam alguns furos no roteiro a história é boa e dá um final digno à saga - ao contrário do que aconteceu com Matrix, por exemplo. (Não vi ninguém falando disso, mas acho que Selina Kyle não é chamada de "Mulher Gato" nenhuma vez no filme).     ***   Uma boa crítica sobre o filme pode ser lida no blog da Ana Maria Bahiana. E no Scream and Yell você pode encontrar um artigo bem aprofundado sobre as principais histórias em quadrinhos do Batman.    

1 thought on “Batman e eu

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.