Your Heading

rebostejos

sobre o rebostejos

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam,

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Ta-táxi
    Depois de aproveitar a bela manhã em Ipanema chegou a hora de voltar para o hotel, colocar um terno e ir para o fórum, então fui para o calçadão e dei o sinal para o primeiro táxi que passou. Parou um carro novo, salvo engano um Vectra, e eu entrei, dei bom dia e disse: - Rua do Russel, na Glória, por favor. O motorista me olhou pelo retrovisor, fez um sinal com a cabeça e seguiu em frente. E seguiu para um lado. Depois para outro. E foi em frente de novo. Para retornar para o outro lado mais uma vez. Eu tenho um péssimo senso de direção mas percebi que alguma coisa estava errada. Imaginei que o motorista estava mal intencionado fazendo o taxímetro rodar indevidamente, mas aí então ele fez a pergunta fatal: -O o o o se-se-senhooor sa-sabe me-me-me explica-car co-como cha-chega nessse lu-lugarrrrrr? Não sei o que mais me surpreendeu, o fato do motorista ser mais gago do que gago de piada ou ele dizer que não sabia como chegar na Glória. Como eu não conhecia o caminho, tentei passar alguns pontos de referência: - Essa rua do Russel fica perto do Hotel Glória. Perto da Marina da Glória. - Ho-o-otel Go-glória? Nã-nã-nãoo conhe-conhe-ço. Surreal demais para ser verdade: um taxista perdido no trânsito, que não sabia como chegar no bairro da Glória, que não conhecia o Hotel Glória, e que falava como um personagem da Escolinha do Professor Raimundo. Comecei a olhar fixamente para o motorista para ver se ele era o Gugu disfarçado e procurei por câmeras escondidas, mas ele passou então a se justificar: - Esse t-tá-táxi éééééééé do-o-o meu tio, que tá-tá-tá do-o-ente e eu co-co-comeceiiiii a a a a ajudá-dá-lo-o onteeem. Só-só-só num seeei os c-c-ca-caminhooos muuuuito bem aiinda. Só eu mesmo para cair nas mãos de um estagiário de taxista. Expliquei para ele que ele deveria sair da Zona Sul e seguir no sentido do centro, e  assim ele fez até que apareceu um posto de gasolina no caminho aonde  parou para pedir ajuda. O frentista ouviu a demorada pergunta e olhou para dentro do carro de cara brava, certamente pensando que era algum tipo de brincadeira. Quando viu a minha cara de assustado, porém, o rapaz percebeu que a coisa era séria e indicou a rota para o motorista. E o ta-ta-taxista foi o caminho todo falando sem parar (bom, tanto quanto possível) e ao chegar finalmente no hotel pediu desculpas e não cobrou pela viagem. Até hoje tenho medo de encontrar na internet um vídeo comprovando que eu cai numa pegadinha naquele dia. E isso é tudo, pe-pe-pessoal!  

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.