jul 242012
 

 

 

A falta de decoração surpreendeu o visitante. Ele imaginou que encontraria algo como cortinas esvoaçantes, luz negra, símbolos e objetos de cristal, mas na pequena sala não havia nada disso. No cômodo estavam apenas duas cadeiras e uma mesa, coberta com uma toalha branca, e sobre tal mesa repousavam duas caixas de madeira. Na caixa à sua direita estava marcado “3” e, na outra, estava gravado um “G”.

A luz fraca que vinha de uma pequena claraboia era insuficiente para iluminar todo o cômodo, mas o visitante era um homem que estava de bem com a vida e por isso não se importou com a escuridão. Sua única preocupação era com o que a imprensa diria se descobrisse essa sua ida a um vidente, mas no meio do futebol a crendice e a superstição são tão comuns que o fato dificilmente chamaria muita atenção.

O anfitrião chegou apresentando um ar solene, e o visitante logo se apresentou:

– Boa tarde, El Gigio, eu sou o técnico…

– Antenor é sua identidade.

– Bá, ninguém me chama assim, todos me chamam pelo apelido, mas está bom! Então tu deves saber o motivo de minha visita a este local. Acabei de ganhar um título importante e preciso me preparar para o campeonato no final do ano, que deve ter muita…

– Competitividade.

– Isso! Vamos representar milhões de pessoas e isso exige…

– Responsabilidade.

– Perfeito. Quero que todos da nossa…

– Comunidade.

– É… que todos se concentrem na…

– … viabilidade…

– … da conquista. Correto, El Gigio! Gostei do seu jeito: não fala muito, não fala muito. Peço que sejas então direto na resposta: vamos ser campeões do mundo?

– Há possibilidade.

– Bom, isso é bom. Mas preciso fazer algo para aumentar a …

– Probabilidade.

– É! E que meus comandados tenham…

– … confiabilidade…

– … no seu futebol e com todas as forças lutem pela…

–  … titularidade…

– … na equipe! Fantástico! Impressionante como falas a minha língua! Tens algo que possas fazer, El Gigio?

O vidente olhou fixamente para as duas caixas de madeira que estavam sobre a mesa, até que abriu aquela que estava marcada com um “G”. Pegou uma faixa de pano com um grande olho desenhado e amarrou em sua própria cabeça. O visitante estranhou a escolha, pois achava que o Terceiro Olho ficava na outra caixa, e então perguntou:

– Não entendi, El Gigio. Achei que o famoso Terceiro Olho estava na outra embalagem, marcada com o “3”, então para que pegaste esse aí marcado com um “G”? É algo especial para me passar bons fluídos?

– Adiposidade.

– Adiposidade? Como assim adiposi… Putamerda! Esse é um olho gordo! Tu vais me secar! Por que fazes isso?

– Rivalidade!

– Que filho da … – Antes de terminar o palavrão o visitante saiu correndo pela rua.

El Gigio tirou a faixa da cabeça e recolocou-a na caixa. Abriu então aquela marcada com o “3” aonde estava outra faixa, de três cores, marcada com três estrelas douradas, e  mormurou: “Tricolorbilidade”.

 

***

 

Outras histórias de El Gigio podem ser vistas aqui