maio 132016
 

 

 

trio

 

– E aí, diz como é ser presidente!

– Poxa, manos, vocês não acreditam na sensação!

– Eu imagino como é. Imagino muito, imagino o tempo todo…

– Calma, ministro! Contenha-se! E limpe essa baba que está escorrendo pelo canto da boca!

– Eu sinto muito que vocês não tenham conseguido…

–  Sente nada, se eu fosse eleito você não estaria aí!

– … mas você são jovens e vão ter outras oportunidades. Eu não, minha vez é agora, afinal, estou inelegível.

– Ele é jovem, eu não sou jovem. Tá certo que enquanto eu me mantiver longe da luz do sol e de estacas de madeira terei vida eterna, mas isso não vem ao caso agora. Pensem bem, é muito louco isso, não? Eu e o playboy tentamos ser presidentes e não conseguimos por causa da eleição, e justo você que não foi votado e está inelegível, assumiu o cargo!

– Viva o Brasil!

– Viva o Brasil!

– Viva o Brasil!

– Na verdade, gótico presidente, você teve é um golpe de sorte!

– Chiiiii, não diga essa palavra!

– Desculpe, desculpe. Você teve sorte. Não teve golpe, não teve golpe.

– HAHAHA!

– HAHAHA!

– HAHAHA!

– Hmmm… Eu estou sentido um cheiro estranho, vocês não estão?

– Ora, diga você, que é o especialista.

– Cheiro… de enxofre!

– Ah, é ele!

– Não, ele!

– Não se acanhem, meus caros confrades. Esse cheiro pútrido pode ser de qualquer um desta sala.

– Mas presidente, como ministro que agora sou, tenho o dever de te informar que alguns dos meus colegas recém empossados estão envolvidos com a Lava Jato, e por isso pode haver acusação de obstrução à Justiça por eles terem conseguido foro privilegiado.

– Não se preocupe, meu nobre Nosferatu, nenhum deles é o sapo barbudo, então a ninguém vai fazer questão de apurar isso.

– E, se tiver algum problema, meu caro Judas, digo, meu caro presidente, deixa comigo que eu tenho um amigão na corte. Em menos de 24 horas o Gil muda de ideia e manda arquivar o seu b.o.

– Em 24 horas? Depois dizem que a Justiça no Brasil é lenta!

– Viva o Brasil!

– Viva o Brasil!

– Viva o Brasil!

– Agora me conte: como estão as coisas lá em Belo Horizonte?

– Em Belo Horizonte eu não sei não, mas se quiser saber sobre o Leblon, posso te dar altas dicas.

– HAHAHAHAHA HAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA! Desculpem, desculpem. Minha risada soa vilanesca, mas sou uma pessoa de bens, digo, do bem. As oportunidades da noite carioca não me interessam, pois sou um homem fiel!

– Hum, hum!

– Sei, sei…

– Bom, presidente, eu e o senador balada vamos deixar o senhor à vontade para continuar tramando, digo, tratando com os demais parlamentares. Eu sei que o senhor precisa acertar os ponteiros da tungada na previdência, no achaque à CLT e na volta da CPMF, mas pode deixar que eu mesmo tratarei do pré-sal com os gringos.

– Perdão, presidente, mas o ministro chupa-cabra falou da CPMF? Nós não éramos contra até a semana passada?

– Nosso país é muito grande, muito dinâmico, senador pão-de-queijo. Uma hora você é contra alguma coisa, em outra você é favor. Uma hora você é presidente, não outra você não é mais. Você defende a democracia num dia, e no outro joga no lixo o voto de milhões de brasileiros… E sabe o que é o melhor disso tudo?

– Eu sei: o povo aceita os fatos e acha tudo normal, pois a Veja, a Globo e toda a grande imprensa assim disseram que é.

– Sem dúvida, é um país sem igual.

– Viva o Brasil!

– Viva o Brasil!

– Viva o Brasil!