set 152014
 

 

Instagrama

 

Correr estimula a produção de endorfina, que espalha pelo corpo uma sensação de bem-estar, aumentando a autoestima e a libido e bla-bla-blá…

Tudo isso é verdade, mas me aventurei a correr ontem numa prova porque era um evento beneficente, organizado pelos meus amigos. Apesar de não estar treinando devidamente, prestigiar o trabalho que eles tiveram era o mínimo que eu poderia fazer.

A 2ª Corrida da Fraternidade foi realizada em prol do asilo Lar Fraterno das Acácias, e me proporcionou uma nova oportunidade de entrar em contato com esse povo que se dispõe a acordar bem cedo aos domingos, faz o corpo se extenuar em quilômetros e quilômetros sob sol ou chuva, para ao final ganhar uma medalhinha, um copo d’água e uma banana.

Parece meio estranho quando descrito desta forma, mas excêntricos mesmo foram aqueles que fizeram tudo isso vestidos de super-heróis, como alguns colegas que tenho. Eles até me chamaram para participar dessa “Liga da Justiça”, mas quando experimentei a fantasia percebi que ela era tão quente que eu não aguentaria passar meia hora na sombra com ela, muito menos poderia correr 5 km.

Pensei então de comprar uma tinta verde para passar pelos braços, pernas e rosto, e assim participar como Hulk, mas abandonei essa ideia de jerico quando me dei conta que a tinta escorreria toda com o suor e eu chegaria ao final da prova não mais como o Gigante Verde, mas sim como um depauperado Bruce Banner.

 

corrida fraternidade super herois

Os fantasiados: Batman, Homem de Ferro, Capitão América, Coringa, Homem Aranha e Homem Invisível

 

Corri então de cara limpa. O primeiro quilômetro veio fácil, o segundo pareceu um pouco mais longo, e eu tinha achado que passara pela marca do terceiro sem tê-la visto, pois esta nunca chegava. Para não forçar muito, estabeleci que terminaria nos 5 km ou no segundo infarto, o que viesse primeiro, mas consegui passar pela linha de chegada fazendo pose de que estava inteiro. Só pose, claro.

Nem vi o meu tempo porque sei que foi horrível. Até meus amigos que correram vestidos com aquelas fantasias escaldantes chegaram antes de mim. Me dei conta que não dá pra encarar esse tipo de prova sem estar preparado, por isso antes de fazer uma nova inscrição preciso retomar o ânimo e voltar a treinar.

E quanto a sensação de bem-estar, é verdade o que dizem. Eu estou me sentido mais leve, mais sereno, com pensamentos mais tranquilos. Deve ser a endorfina. Ou pode ser também um efeito colateral da overdose de dorflex que estou tomando.

 

.

jan 232014
 

 

corrida

 

– Minha carona chegou, estou saindo.

– Quem é ela, Aderbal?

– Como?

– Quem é essa biscate com quem você está me traindo, Aderbal?

– Do que você está falando, mulher? Estou indo pra academia!

– Eu sei, Aderbal. Você está indo pra academia. E parou de fumar. E quase não bebe mais. E acorda cedo pra ir ao parque, compra revista sobre corrida, emagreceu…  Isso só pode ser por causa de mulher!

-Você está louca?

– Louca? Eu? Pois então me diga: cadê a barriga, Aderbal? Aquela que você falava pra todo mundo que era o seu “calo sexual”? Nem barriga você tem mais! Você mudou, Aderbal, você não é mais o mesmo!

– Eu tô me cuidando!

– Não é só isso, Adebal! Você está feliz! Pensa que eu não percebi? Você está feliz, sorrindo, bem humorado! Só pode ser um caso! Você está apaixonado, não é?

– Tá bom, mulher, eu falo. Vou te contar o nome de quem me fez mudar.

– Isso mesmo, Aderbal! Diga quem é essa piranha que te fez mudar, seu traidor desgraçado! Fale o nome dessa biscate, dessa prostituta, dessa…

– Dr. Antônio.

– Ãh? O quê? Ãh?

– Dr. Antônio, mulher, meu cardiologista. Você não se lembra que fiz um monte de exames e ele disse que eu precisava emagrecer e mudar de hábitos? Pois tenho comido menos e estou fazendo exercícios,  por isso estou mais disposto e me sinto melhor, mais contente!

– Ah, é… Você fez exames e foi ao médico…

– Então! Inclusive é o próprio Antônio que está lá em baixo me esperando pra ir pra academia!

– É que todo mundo vai ao médico, nutricionista, essas coisas, diz que vai se tratar e não faz nada…

– Pois é, só que eu não sou todo mundo! Já você, você é mais uma louca ciumenta! Você precisa procurar um médico diferente do meu: um psicólogo!

– Me desculpe, é que…

– É que nada! Agora me deixe ir que já estou atrasado! Cada uma…

 

***

 

– Oi, Aderbal! Tudo bem? Você não está com a cara boa!

– Me desculpe por fazer esperar, Antônio. Minha mulher que teve  uma crise por eu estar de bem com a vida.

– Isso deve ser uma preocupação?

– Não, pode deixar, já dei um jeito. Agora vamos logo pro motel que não aguento mais de vontade de te jogar na cama e tirar sua roupa, meu amor!

 

.