ago 252013
 

 

coringa piada mortal

 

Duas grandes polêmicas abalaram Gotham City nesta última semana.

Primeiro foi a entrevista do quadrinista Grant Morrison, que afirmou ser óbvio que Batman matou o Coringa no final de A PIADA MORTAL. Escrita por Allan Moore, esta graphic novel foi lançada em 1988 e é um verdadeiro clássico, tendo estabelecido paradigmas para o homem-morcego.

O ilustrador da história, Brian Bolland, também compartilha dessa interpretação mortífera, e agora os fãs se dividem entre o “eu já sabia” e “não, não é possível”, já que a história entrou para a cronologia do Batman e vilão voltou a aparecer depois.

De minha parte, digo que já reli A PIADA MORTAL centenas de milhares de vezes e juro que nunca tinha entendido que o Coringa morria no final.

No Trabalho Sujo tem muito mais detalhes sobre o caso, que só será devidamente esclarecido se Allan Moore um dia se pronunciar.

 

 

batman ben afleck

 

A outra polêmica foi a escolha de Ben Affleck para o papel do Batman nos próximos filmes.

Esse ator já protagonizou o filme do Demolidor, considerado uma bomba, mas não é por isso que não gostei da escolha – apesar do Demolidor ser um dos meus personagens preferidos, foram tantas críticas ruins que eu nunca ousei vê-lo.

Acho que Ben Affleck não tem cara de Bruce Wayne, que é o que importa – com máscara, até eu interpreto o Batman.

Christian Bale interpretou muito bem o Morcegão nos três filmes da última trilogia, mas parece que não tinha interesse em continuar, o que é uma pena.

 

***

.

Sobre minha epifania com o Caveleiro das Trevas, clique aqui.

 

.

 

ago 022012
 

 

 

 

Lembro-me perfeitamente daquele dia.

No extinto Jornal da Tarde saiu uma matéria dando destaque ao lançamento de uma revista do Batman que trazia uma perspectiva mais adulta e contemporânea às suas histórias. Eu não gostava de quadrinhos de super-heróis, mas achei interessante a ideia de um Batman envelhecido, soturno e violento, bem diferente da imagem que eu tinha da série da TV e dos desenhos dos Superamigos, e por isso resolvi dar uma chance para o mascarado.

À tarde fui até a banca e ao supermercado e voltei com a revista e uma barra de chocolate, que levei para o meu quarto escondida para não dividir com ninguém.

Sem exagero, ao final daquela leitura o meu mundo tinha se transformado.

 

***

 

Seria muito mais bonito se eu dissesse que o final da minha infância foi marcado por Proust, Hesse ou Camus, mas foi Frank Miller, com uma história em quadrinhos, que me levou à adolescência. Foi a partir de então que me interessei pelas referências e descobri todo um universo de cultura pop.

Passei até a desenhar, e meu sonho não era mais montar uma banda com meu primo e sim publicar as histórias dos personagens que criava.

Fui atrás dos trabalhos de Miller com o Demolidor, li os X-Men do Chris Claremont, adorava tudo o que o John Birne fazia, mas o meu preferido sempre foi o Batman.

 

 

***

O sucesso dos quadrinhos foi tão grande que sempre houve expectativa a cada lançamento de filme, mas os quatro primeiro foram experiências, no mínimo, frustrantes.

A crítica gosta dos dois primeiros, contudo tenho pra mim que Tim Burton é um cineasta superestimado – a bela cenografia de seus filmes geralmente não sustenta as seu jeito fraco de contar histórias. Já os dois outros, do Joel Schumacher, são verdadeiras bombas, e a única coisa que se salva é a música do U2 para Batman Forever

 

 

***

 

Falei disso tudo pra contar que vi O CAVALEIRO DAS TREVAS RESSURGE. É um filme muito bom, superior ao primeiro dessa nova trilogia (BATMAN BEGINS), mas não é tão impactante quanto o segundo (O CAVALEIRO DAS TREVAS).

Os iniciados nas histórias do morcego reconhecerão algumas ideias na tela (principalmente das sagas O MESSIAS, TERRA DE NINGUÉM e os trabalhos do Frank Miller, claro), e embora existam alguns furos no roteiro a história é boa e dá um final digno à saga – ao contrário do que aconteceu com Matrix, por exemplo.

(Não vi ninguém falando disso, mas acho que Selina Kyle não é chamada de “Mulher Gato” nenhuma vez no filme).

 

 

***

 

Uma boa crítica sobre o filme pode ser lida no blog da Ana Maria Bahiana. E no Scream and Yell você pode encontrar um artigo bem aprofundado sobre as principais histórias em quadrinhos do Batman.

 

 

jan 092012
 

A figura acima não é de uma nova história da Turma da Mônica Jovem. Nem é uma das Meninas Superpoderosas Geração Z. Esta seria uma imagem de Watchmen 2.

Watchmen 2! Se a ideia já me parecia muito errada, a imagem divulgada só torna minhas preocupações maiores.

Tem coisas que com as quais não se mexe. Se Frank Miller fez besteira (e que besteira!) quando lançou O Cavaleiro das Trevas 2, o que esperar de um projeto baseado em uma das maiores graphic novel de todos os tempos, mas que não traz nenhum dos seus autores originais?

Watchmen é uma obra sensacional e não deveria ser objeto de cobiça da editora (já o filme é ok – apesar de ser muito fiel às imagens, perde na profundidade dos personagens e por ter amenizado o desfecho ao tornar o diálogo mais dramático uma mera citação sem importância).

O Comediante não acharia graça nenhuma nisso que estão fazendo.