maio 292012
 

 

 

Outro dia vi uma velha entrevista do Renato Russo em que ele dizia, envergonhado, que não tinha gostado do Nevermind. O vocalista admitiu que sentia-se um tanto constrangido por não ver graça no Nirvana e em toda a cena grunge que dominava o cenário do início dos anos 90 (cabe lembrar que Renato tinha sido punk, e era um grande conhecedor de rock, embora às vezes cometesse umas italianadas e menudices sem sentido).

Acontece nas melhores famílias: um monte de gente que você respeita acha algo ou alguém genial, mas você não compartilha daquela empolgação e se sente meio culpado por isso.

Eu, por exemplo, carrego o remorso de não gostar de Bob Dylan. Por mais que saiba que ele é um dos maiores artistas de todos os tempos, e reconheça que ele tenha sido fundamental para toda a cultura gerada a partir dos anos 1960, apenas consigo ouvir três ou quatro de suas músicas. E eu bem que tentei: comprei uma coletânea e um álbum (Modern Times, que foi bastante elogiado no seu lançamento) mas não teve jeito.

Acho que meu inglês é capenga demais para entender a profundidade de sua obra e para perdoar sua voz roufenha, mas isso não me parece tão verdadeiro quando lembro que adoro Neil Young, que também canta em inglês e não tem uma das mais belas vozes do mundo.

 

 

No fundo, acho que é tudo uma questão de gosto, coisa que não se discute – ainda mais consigo mesmo.

  11 Responses to “Me perdõe, mas não gosto”

  1. Porra Wawa assim vc mata o milk do coração…….

  2. Só não entendi a imbecilidade de achar que o Renato, por ser punk, não poderia gostar de música italiana ou encaixar uma bela música do Menudo no meio de seu repertório de modo coerente com sua obra. O problema da maioria das pessoas é achar que as pessoas tem que ser rotuladas disso e daquilo e que não podem fugir de seus rótulos. É como se a pessoas tivessem que ser unidimensionais apenas. Nada a ver.

    • Se você tivesse entendido o texto perceberia que ele fala justamente de algo que não se explica, que é o gosto.
      Vou ser mais didático então: o que escrevi e o que coloquei nos comentários é que as pessoas têm suas idiossincrasias, o que faz com que eu ouça Engenheiros do Hawaii mas não goste de Bob Dylan, e que o Renato Russo, que um dia foi punk, não tenha gostado de Nirvana e tenha gravado música brega italiana.
      Renato Russo certamente lamentaria o fato de eu não gostar de Bob Dylan, assim como eu estranho o fato dele gostar de uma música sacal dos Menudos, mas em nenhum momento eu disse que ele, ou você, ou qualquer um que goste, é um imbecil.
      Se eu fosse de rotular as pessoas diria que não saber expor argumentos sem manter um mínimo de educação é um grande sinal de babaquice,

  3. […] Existem algumas lacunas em minha formação musical que vão além da assumida ignorância em relação a Bob Dylan. […]

 Leave a Reply

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

(required)

(required)

Loading Facebook Comments ...

Warning: require_once(/home/rebostej/public_html/wp-content/plugins/gplus-comments/includes/templates/partials/.php) [function.require-once]: failed to open stream: No such file or directory in /home/rebostej/public_html/wp-content/plugins/gplus-comments/includes/templates/container.php on line 103

Fatal error: require_once() [function.require]: Failed opening required '/home/rebostej/public_html/wp-content/plugins/gplus-comments/includes/templates/partials/.php' (include_path='.:/usr/lib/php:/usr/local/lib/php') in /home/rebostej/public_html/wp-content/plugins/gplus-comments/includes/templates/container.php on line 103