jun 072017
 

 

 

“Que pena… quando você sair daqui, nunca mais vai pensar em mim”.

Laura estava sentada no lado oposto ao do homem de terno cinza e gravata amarela. Seus olhares já haviam se cruzado algumas vezes, e o discreto sorriso que ele deu fez o rosto dela se avermelhar de vergonha. Ela era tímida, mas flertar com aquele estranho no metrô era algo que não podia resistir.

O homem era muito bonito. Alto, com rosto esguio e barba bem aparada, sentava-se de forma elegante e pouco desviava os olhos do que estava à sua frente. Parecia estar absorto em pensamentos profundos e graves, o que conferia ao sorriso dado um verniz ainda mais especial.

O metrô estava ainda vazio, comum para aquele horário do meio da manhã. Uma turma estudantes entrou no vagão falando alto, chamando a atenção como os garotos bobos tanto gostam de fazer. Uma mulher segurava uma sacola cheia de produtos de supermercado. Um outro homem de terno, não tão bonito, estava de pé, embora muitas poltronas estivessem vagas. Laura sentava-se de costas para a janela, e às vezes olhava para celular, ajeitava o livro e a pasta que carregava no colo, mexia nos cabelos avermelhados que escorriam por trás das orelhas e voltava a espiar aquele que imaginou se chamar Jonas.

“Ele tem cara de Jonas”.

Ela não sabe por quê pensou nesse nome, que achou que combinava com o que parecia ser um advogado indo atender um poderoso cliente. Ou com um renomado executivo que iria tratar de negócios milionários em uma importante reunião. “Mas rico ele não é. Rico no Brasil não usa metrô. Ele ainda vai ficar rico!”.

Tentou adivinhar quantos anos o homem teria. “Entre trinta e trinta e cinco”. Imaginou Jonas apresentando relatórios sobre balanços financeiros altamente positivos para uma mesa de senhores e senhoras sisudos. Em certo momento, ele faria uma tirada espirituosa e daria um discreto sorriso, fazendo todos balançarem a cabeça por admiração à sua inteligência e ao seu charme.

Pensou também em como ele seria falando perante um tribunal. Com o dedo em riste e voz firme, mas sem perder a pose, apresentaria seu argumento inquestionável que emudeceria a plateia, convenceria os jurados e conquistaria todos os corações.

Só depois que o trem voltou a se mover que Laura parou com seus devaneios e percebeu a mulher que entrou na última estação. “Que perua!”, pensou ela, sem admitir que se tratava de uma moça belíssima, usando uma roupa que torneava o corpo sem deixá-la vulgar. Todos que estavam no vagão olharam para aquela mulher, e homem de terno que estava em pé até mudou de posição para enxergar melhor.

O incômodo daquela presença se tornou ainda maior quando Laura flagrou Jonas olhando para a moça. “Sério?”. Em milissegundos, sentiu indignação, inveja, ciúme, desprezo. Fez-se de desinteressada antes que voltasse a olhar para o homem que voltava a fitar para a frente de forma impávida.

Foi então ela percebeu que o homem que estava de pé acompanhava a situação toda e também sorriu, mas de forma cúmplice. Laura voltou a ruborizar, imaginando que todos os seus pensamentos sobre Jonas e a Biscate (foi esse o nome que ela deu para aquela mulher bonita) serviam de divertimento para um estranho.

Dos alto-falantes do vagão saiu o anúncio da próxima parada, e era vez de Laura descer. Ela se levantou, rumou até porta e olhou uma última vez para Jonas, que acompanhou sua saída e deu um último sorriso com o canto da boca.

Laura desceu do trem equilibrando os materiais de estudo, a pasta e o livro, procurou pela saída, enroscou-se na catraca com uma senhora de cabelos arroxeados e deixou a estação preocupada com o horário e com a chuva que parecia estar por vir.

Na rua, seus pensamentos foram tomados pela cidade e suas distrações, e então ela se esqueceu de Jonas para sempre.

 

.

 

 Leave a Reply

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

(required)

(required)

Loading Facebook Comments ...

Warning: require_once(/home/rebostej/public_html/wp-content/plugins/gplus-comments/includes/templates/partials/.php) [function.require-once]: failed to open stream: No such file or directory in /home/rebostej/public_html/wp-content/plugins/gplus-comments/includes/templates/container.php on line 103

Fatal error: require_once() [function.require]: Failed opening required '/home/rebostej/public_html/wp-content/plugins/gplus-comments/includes/templates/partials/.php' (include_path='.:/usr/lib/php:/usr/local/lib/php') in /home/rebostej/public_html/wp-content/plugins/gplus-comments/includes/templates/container.php on line 103