jul 122014
 

 

Brasil X Alemanha

 

 

Em 74 eu era recém-nascido, em 78 era pequeno demais, mas de 82 eu me lembro bem. Recordo de todos os jogos do Brasil na Copa da Espanha, desde o primeiro, com a sofrida virada sobre a União Soviética, até o último, a mais dolorida de todas as derrotas – acredito que o Maracanazzo tenha sido até mais sofrido, mas por essa eu não passei.

O vexame do último dia 08, contudo, não pode ser comparado a esses dois eventos mencionados acima. Perder de 7 a 1 da Alemanha, em uma semi-final disputada no Brasil, sequer nos fez sentir tristeza. A minha filha, que tem quase a mesma idade que eu tinha em 82, ficou com raiva da Seleção, um sentimento diferente e mais forte que a desilusão que tive na infância. Será difícil fazer com que ela tenha pelo futebol brasileiro o orgulho que sempre tive, apesar das derrotas que vi.

 

brasil alemanha

 

E o pior é que os vexames nacionais vão se acumulando: em 2010 o Internacional perdeu para o Mazembe, ano passado o Atlético-MG foi sapecado pelo Raja Casablanca, este ano nenhum time brasileiro passou das oitavas-de-final da Libertadores. Isso sem mencionar a última Copa América, as Olimpíadas…  A verdade é que nos iludimos com as conquistas esporádicas e ainda batemos nos peito dizendo que somos o país do futebol, o que é uma mentira.

Já fomos. Não somos mais.

Torcerei pela Alemanha na final deste domingo, não só porque não quero ver os argentinos erguendo a taça no Maracanã, mas principalmente em razão dos alemães terem o melhor time, com mais jogadores talentosos em todas as posições.

E deixo aqui uma questão: se vencer bem a Argentina, depois de baterem o Brasil por 7 a 1 na semi-final, esse time da Alemanha não merecerá um lugar ao lado da nossa Seleção de 70 no panteão do futebol mundial?

 

brasil paquera a copa

 

.

 

 

 

jun 272014
 

 

235_2612-alt-suarez-mordida4

 

Outro dia acompanhei o Diretor Financeiro do Instituto aonde trabalho em uma reunião sobre investimentos. Tratava-se  de uma prestação de contas de um fundo relativo à construção e administração de shoppings centers, que tem sob seus cuidados 6 empreendimentos, com mais 6 em construção, e cuja a meta é chegar a 25 shoppings.

Quando o analista que fazia a apresentação foi questionado sobre a manutenção da expansão no panorama econômico atual, ele respondeu que o pessimismo do mercado não estava refletindo nos negócios do fundo. Achei interessante tal resposta, principalmente porque é uma uma área que depende basicamente da construção civil e do comércio.

A reunião foi em uma investidora que ocupa três andares de um grande prédio na Avenida Cidade Jardim, em São Paulo. O segundo andar é basicamente todo para reuniões – são 42 salas. Nos outros andares os funcionários dividem longas mesas dispostas em grandes salas, todas divididas por vidros, e enquanto uma moça simpática nos apresentava as instalações contava sobre o sucesso do último fundo lançado por eles:

– Esta é a área que é a responsável pelo novo fundo de investimentos relacionado à infraestrutura de comunicações, cujo valor inicial é de 1 bilhão e 700 milhões. De dólares. Infelizmente não podemos oferecer este produto a vocês porque ele já está todo comprometido com o mercado exterior.

Nesse momento não me segurei:

– Gozado… Estão dizendo que a economia vai mal, mas o fundo de shoppings continua a expandir e os gringos vão investir um bilhão e setecentos milhões de dólares sem nem esperar o resultado das eleições! Não estamos à beira do caos?

A moça simpática deu um sorriso sem graça e disse que as coisas não são bem como estão contando por aí.

***

“Imagina na Copa”. Esse foi o bordão que tomou conta do país no período anterior à competição. Havia um pessimismo generalizado, um medo de fiasco fomentado por notícias sobre as obras atrasadas, sobre o despreparado do governos e sobre a incompetência generalizada do brasileiro.  Muita gente inclusive chegou a duvidar se o torneio aconteceria, e o “#nãovaitercopa” tomou conta das redes sociais.

Pois 15 dias se passaram, a primeira fase terminou, e estamos tendo uma bela Copa do Mundo nos campos e sem sobressaltos fora deles. Ficarão para a História a goleada sofrida pela Espanha no jogo contra a Holanda (1 x 5), a campanha surpreendente da Costa Rica e a estúpida mordida do uruguaio Suárez no italiano Chiellini, e não as cenas de caos nos aeroportos e de violência nas cidades, simplesmente porque estas não existiram.

Tivemos desacertos sim, como as invasões de torcedores chilenos e argentinos sem ingresso no Maracanã, confusões nas proximidades de certos estádios e até mesmo alguns gramados têm demonstrado problemas, mas para muitos esta já é a melhor Copa de todas, como é contado nesta reportagem aqui.

Não estou querendo convencer ninguém que está tudo maravilhoso ou que não será necessário apurar futuramente os resultados econômicos e sociais do evento, mas o fato é que o cenário pessimista que se propagandeava antes não se realizou, como admite o grupo de imprensa RBS neste seu editorial.

Definitivamente, as coisas nunca são como nos contam.