abr 122017
 

 

 

“Quanto tempo faz? ”.

Caía uma chuva fina e a noite já estava alta, mas mesmo assim Carlos tirou o capacete para melhor observar a casa amarela de portões brancos. Era um imóvel simples, mas conservado com visível cuidado, que ficava numa pacata rua da cidade.

Enquanto ele tentava se lembrar de quando aquela estranha noite aconteceu, veio à sua mente a imagem de Amanda.

***

Moça de traços delicados que ressaltavam seus grandes olhos castanhos, Amanda tinha uma beleza que estava longe de ser exuberante, mas que cativava. Embora muito tímida, era tida como uma boa colega por seus companheiros de faculdade, e foi graças a um trabalho em grupo que Carlos se aproximou da moça.

Aos poucos o coleguismo se transformou em amizade, e a amizade virou namoro. O convite que ela fez a Carlos para que fosse uma noite jantar em sua casa foi então um passo firme ao um compromisso mais sério, o qual ele estava pronto a assumir.

O convite era ainda mais especial para Amanda. Sua mãe morrera fazia alguns anos e a partir disso ela se tornara mais reservada. Carlos seria o primeiro namorado a ser apresentado a seus familiares.

Carlos chegou pontualmente às 20h, parou sua moto em frente ao portão e tocou a campainha com certa apreensão. Amanda surgiu na porta e deu um sorriso largo, como não estava acostumada a dar, e abriu o portão apressadamente. Deu um beijo em Carlos e pediu que ele entrasse e deixasse a jaqueta e o capacete sobre a poltrona. Não houve tempo para continuar a se sentir incomodado: o pai de Amanda, Onofre, veio e lhe deu um abraço, e o menino Jonas também se mostrou um bom anfitrião.

À vontade, conversaram na sala até que o timer do forno tocou, avisando que a refeição estava pronta. Foi quando passaram à sala de jantar que Carlos viu que havia cinco pratos à mesa, o que o fez perguntar:

– Vocês estão esperando mais alguém?

Amanda voltou a sorrir sem graça, apontou para o lugar da mesa aonde Carlos iria ficar, puxou a cadeira e começou a explicar:

– Carlos, eu já te contei que nós somos espíritas, não foi?

– Sim, e eu te contei que eu ia num centro pra tomar passe de vez em quando.

– Pois é… Então, aqui em casa, todo mundo é médium também.

O rapaz arcou com o corpo para frente, se ajeitando melhor para o que viria em seguida.

– Meu pai psicografa mensagens. Meu irmão ouve os espíritos. E eu sou médium vidente. Eu vejo, mas nada ouço.

– E isso tem relação com o prato a mais na mesa por que…

– É a minha mãe, Carlos. Ela que está ali. De vez em quando ela vem e participa das coisas da casa conosco, e hoje ela fez questão de vir te conhecer.

– Sua mãe?

– Sim…

Desta vez foi Carlos que sorriu sem graça. Não deu continuidade ao assunto, mas ficou visivelmente incomodado com a situação. Às vezes mirava para o prato posto à mesa e a cadeira vazia, mas rapidamente desviava o olhar para os anfitriões, que perceberam o mal-estar da visita.

A conversa, que fluía naturalmente no começo da noite, passou a se tornar escassa. Carlos então apressou sua despedida dizendo que precisava dormir cedo e que tinha muito trabalho no dia seguinte.

Pegou suas coisas, deu um beijo em Amanda e foi embora com sua moto à toda velocidade.

 

***

 

Agora Carlos estava de volta ao portão, sem saber muito bem o motivo. Repentinamente, a porta se abriu e Amanda apareceu. Ele deu um passo para trás, mas assim que se virou para a rua pôde ouvir:

– Espere!

Ele parou e olhou para a moça, que chorava. Ele perguntou o porquê das lágrimas, mas ela somente abriu a porta e depois o portão, e pediu para que ele entrasse.

– Você sempre será bem-vindo aqui – disse ela.

Carlos entrou timidamente. Tirou a jaqueta e colocou sobre o mesmo móvel da outra vez. Ao colocar o capacete, todavia, percebeu a enorme rachadura no casco. Confuso, foi levado por Amanda até a sala de jantar, e lá estava sentada uma mulher com cerca de cinquenta anos, de olhos grandes e sorriso tímido, que disse com voz suave:

– Venha, Carlos, sente-se no seu lugar. Agora nós dois precisamos conversar.

 

 

.

mar 072017
 

Jonas acordou num sobressalto.

Estava caindo de altura incomensurável, por um tempo infinito, até que despertou de súbito. Apesar de uma sensação incômoda, a rotina lhe era tão dominante que quando se deu conta já estava na rua, correndo para chegar ao metrô; para chegar ao trabalho; para passar o dia enclausurado; para voltar tarde; para dormir mal; e para acordar incomodado novamente na manhã seguinte.

O céu estava limpo e o clima era agradável, mas Jonas não percebia nada a sua volta. As pessoas passavam e ele não via, não notava. A única coisa que chamou sua atenção foi um zumbido no ouvido que começou repentinamente.

A princípio, ele achou que era do mal-estar que sentia, mas o barulho aumentava cada vez mais, fazendo que procurasse a origem do som até que visse nos céus a cena mais impressionante: centenas de aviões se aproximavam. Não, recalculou ele, talvez fossem milhares. Era uma quantidade absurda de aeronaves voando em formação.

Quando as primeiras passaram por sobre sua cabeça, em uma altura tão baixa que era possível ver claramente as pinturas na fuselagem, a surpresa deu lugar ao terror: eram antigos aviões de guerra de modelos e marcações variados.

Em um instante Jonas se deu conta do absurdo da situação, mas logo em seguida as bombas começaram a zunir nos céus enquanto caíam lentamente sobre a cidade.

Milhares de aviões, de repente, soltavam milhões de bombas.  E Jonas estava bem no centro de tudo.

O barulho foi tanto que de repente sumiu completamente – a cacofonia era ensurdecedora. A terra tremeu a ponto de jogar tudo o que estava sobre o solo para o alto. O céu escureceu e tornou-se negro de fumaça e poeira.

No meio do caos absoluto, o silêncio e a escuridão.

Jonas esteve no ar, caiu no chão, e foi jogado para cima novamente. Foram tantas e tantas vezes que pareceu ser algo interminável. E durante o tempo todo Jonas esteve consciente, sentindo e repetindo em todas as vezes as dores e agonia de cada impacto.

Quando as explosões cessaram, não havia nada em pé sobre a terra. Fogo, fumaça e pó era o que se via por todo lado.

Não era mais possível reconhecer ruas ou prédios naqueles escombros. Montanhas de entulho bloqueavam a vista para o horizonte e o céu sumira graças à fumaça. E não havia mais ninguém em lugar algum. Jonas era o único que restara.

Ele vagou sem destino por muito tempo até que se deu conta de que tudo era tão irreal que só poderia ser um sonho. Pensou então em acordar, mas nada ocorreu. Beliscou o próprio braço, mas sem resultado.

“Se não estou sonhando, só posso estar morto” – pensou ele – “Ninguém poderia sobreviver àquilo”.

Enquanto filosofava sobre a própria mortalidade algo vibrou no seu bolso. Era o celular que carregava sempre consigo. Talvez fosse o alarme que o despertaria de vez e o tiraria daquele inferno, imaginou, mas ao olhar para a tela viu que se tratava de uma chamada de um número desconhecido.

Ter o aparelho funcionando naquele caos era apenas mais uma entre tantas coisas impossíveis que se sucediam, então atender a chamada era a única atitude sensata a ser tomada. A voz do outro lado foi lacônica:

– Olhe para sua esquerda, ache o toco de árvore e siga no seu sentido até encontrar.

Jonas viu o toco, seguiu na sua direção e foi adiante. Caminhou por um tempo incalculável pelo cenário desolado e enxergou ao longe um prédio alto, aparentemente intacto, única edificação visível em um raio de quilômetros.

O prédio era conhecido. Tratava-se da sede do Tribunal Trabalhista, local em que Jonas já estivera algumas vezes. Era uma edificação grandiosa, reconhecível pela sua suntuosidade e pelos seus corredores vazados.

Para surpresa de Jonas, um trecho da avenida de acesso ao prédio estava também intacto. E repousavam no final daquela via, logo na entrada do edifício, dois aviões iguais aos que atacaram a cidade. Era possível ver que no mais distante estava um piloto; a cabine da aeronave mais próxima estava vazia.

O piloto fez um sinal, deu partida no motor e seguiu pela pista da avenida até tomar os ares novamente. Jonas seguiu até o avião vazio, entrou na cabine com dificuldade e ajeitou-se perante os instrumentos que lhe pareceram simples e familiares. Ligou o motor, taxiou a aeronave e também percorreu a avenida para decolar suavemente.

Antes de seguir o caminho do avião que decolou primeiro, Jonas deu uma volta no prédio do Tribunal, uma torre que agora se tornara magnífica no meio de toda destruição que ia além do horizonte. Ao passar bem próximo da edificação, foi possível ver que havia pessoas lá dentro, aparentemente iguais a ele.

Jonas fez o avião subir e rumou para o oeste. Primeiro avistou a aeronave que havia lhe esperado, depois, viu a gigantesca esquadrilha que sobrevoara a cidade. Na formação, dois espaços estavam vagos, e o piloto à sua frente rumou para se encaixar em um deles. Jonas então seguiu para o outro, certo de que aquele ali seria o seu lugar para sempre.

 

.

fev 202017
 

PRÓLOGO

 

A fila à sua frente era imensa, mas fluía rapidamente, então ele nem teve muito tempo para fomentar a ansiedade. Ao passar pelo portal número 6 os scanners checaram a identidade e o estado de saúde do homem, e ele recebeu da máquina um pequeno cartão em que estava gravado “Gonzalez, L. M., corredor XXII, ala Q, cabine 1246”.

Os oficiais que guardavam as entradas nada precisaram dizer. Seguindo as instruções que haviam sido previamente passadas, Gonzalez seguiu pelo imenso pavilhão de acordo com as marcações, em meio a uma multidão de homens e mulheres que também procuravam seus habitáculos.

Todos que entravam vestiam trajes colantes pretos, que cobriam o corpo e deixavam apenas os rostos e as mãos para fora. As únicas marcas que os diferenciavam eram os nomes gravados no peito e as cores que adornavam os ombros das vestimentas, que correspondiam às funções de cada um. Já os oficiais da nave usavam uniformes totalmente brancos, com visores que pareciam flutuar sobre seus olhos, tão finas que eram as hastes que os prendiam.

Durante o trajeto até sua ala, Gonzalez pensava em como tudo ocorrera tão rápido. De fato, havia se passado menos de um ano entre a vida pacata que tinha como engenheiro civil numa cidade do interior até aquele momento em que se via prestes a partir para nunca mais voltar. Depois do alistamento voluntário, enfrentou baterias de testes físicos e teóricos, em três cidades diferentes, para então ser considerado apto a embarcar na estação espacial. Quando recebeu a notícia de que estava inscrito para missão, teve uma semana de folga para visitar a família e se despedir de todos.

Houve uma emocionada festividade em sua terra no dia de sua partida. Nenhum outro cidadão daquela cidade havia feito algo de destaque, e agora um conterrâneo iria partir para o espaço, como um explorador das histórias de ficção. A aventura foi celebrada por cada morador como se fosse de um parente próximo, o que de certa forma não deixava de ser verdade, tão pequena era aquela localidade.

Gonzalez imaginou que tanta empolgação talvez não se sustentasse caso vissem quantas outras pessoas, de milhares de lugares diferentes, também estavam tomando parte na missão, e isso o fez dar um sorriso sem graça.

O sorriso sumiu de vez quando pensou em Yanissy. Ela não estava entre todos na hora da despedida, embora fosse a única que Gonzalez quisesse realmente ver. A relação com o pai era fria desde que a mãe morrera anos atrás, e havia um silencioso consenso entre ambos que não havia nada mais que pudesse ser feito entre eles. Mas Yanissy era a mulher de sua vida, e foi por ela, ou melhor, pela falta dela, que Gonzalez resolveu partir.

Ao chegar ao seu corredor, parou e ficou olhando aquele imenso bloco cheio de portas de vidro, que parecia um gigantesco gaveteiro. A imagem que veio à mente de Gonzalez, porém, foi de uma organizada e tecnológica câmara mortuária, e isso o fez hesitar por um momento. Foi então que sentiu uma mão sobre o ombro e ouviu uma voz grave lhe dizer:

– Não precisa ficar preocupado, meu amigo. Prometo que não vai me ouvir roncar.

Gonzalez se virou para o homem alto, de rosto fino e queixo reto, também vestindo um traje com detalhes azuis, mas nada disse.

– Eu sei que essa coisa não é muito atraente, mas pode ficar tranquilo. É o mesmo que dormir uma boa noite de sono, a diferença é que essa noite vai durar quatro anos… – O homem estendeu a mão – Meu nome é Howard, mas todos me chamam de O Profeta.

– Oi, sou Gonzalez. Você já esteve em um negócio desses antes?

– Sim. Eu estive na missão Novaya. Passei dezesseis anos no espaço, voltei pra Terra, não me adaptei, e agora estou embarcando novamente.

Gonzalez já tinha conversado com alguns veteranos e queria saber mais sobre a vida em outros planetas, mas antes que pudesse perguntar, um oficial educadamente chamou a atenção dos dois homens, pedindo que se apressassem.

Eles se despediram e fizeram votos de boa viagem. Antes que Howard subisse para a sua estadia, que ficava quatro fileiras acima da de Gonzalez, este perguntou:

– Ei, antes de irmos, me diga: por que O Profeta?

– É por causa de uma história que aconteceu no Plex Mall de Nova Gagaringrado… Te conto tudo quando acordarmos.

– Tem alguma previsão para a viagem?

– Sim… Que vai tudo estar igual a sempre quando chegarmos ao outro lado do espaço!

Gonzalez encaixou na porta do habitáculo o cartão que recebera na entrada. A gaveta abriu, correndo para a frente um esquife com dois metros e meio de comprimento e cerca de um metro largura, aonde ele se deitou.  Havia dentro do receptáculo um par de luvas e uma máscara, que ele vestiu de forma a ficar com o corpo todo coberto.

O esquife começou a ser preenchido com um líquido transparente. Gonzalez mais uma vez pensou em seu pai, na sua cidade, e em Yanissy. Até o último momento ele aguardou que ela aparecesse para impedi-lo de seguir com seus planos. Como ela não veio, resignou-se em cumprir seu destino.

A esquife se recolheu automaticamente. Gonzalez fechou os olhos. Antes que seu corpo estivesse totalmente submerso no líquido, a máquina o fez adormecer.

 

 

jan 272017
 

 

mariola

 

 

Era véspera de Natal. O supermercado estava lotado e as filas eram longas e lentas. O jovem no caixa terminava de passar as compras de uma senhora de cabelos cor de beterraba, quando viu o homem que aguardava na fila:

– Senhor, me desculpe – disse o rapaz. Esta é a fila para os clientes preferenciais. Peço que procure outro caixa.

– Eu sei que esta é a fila do preferencial – respondeu o homem.

– Então, senhor… Este caixa só atende idosos, grávidas, pessoas com criança de colo ou portadores de necessidades especiais.

– Se é assim, estou na fila correta.

O caixa olhou bem para o homem, que aparentava não ter mais que trinta anos e não carregava criança alguma no colo. Pensou um pouco e disse, envergonhado:

– Perdão, senhor… Eu não tinha reparado que o senhor tem necessidades especiais.

– E quem disse que eu sou deficiente?

– Ora, o senhor é muito jovem para ser idoso e…

– Eu estou grávido! – disse o homem, interrompendo o caixa.

– Como?

– Eu estou grávido!

– Que absurdo!  – nesse momento, todos no supermercado acompanhavam o drama – O senhor queira já sair dessa fila antes que eu chame o segurança!

– Absurdo é a sua ignorância, rapaz! Exijo o gerente aqui agora!

O jovem apertou um botão ao lado da registradora e acendeu uma lâmpada sobre o número do caixa. Nesse momento, de um mastro até então despercebido desceu o gerente, como fosse um bombeiro chamado para uma emergência.

– Pois não, o que está acontecendo? – perguntou gerente ao rapaz no caixa.

– Este homem está na fila de atendimento preferencial e não quer sair pois diz que está grávido!

– Isso mesmo! Eu quero que meus direitos sejam respeitados!

O gerente ajeitou os óculos para mirar o homem da fila:

– Em tantos anos de supermercado, nunca vi algo assim! Isso é um absurdo!

O jovem caixa consentiu com a cabeça.

– Você não pode fazer isso! Será que você não consegue perceber que esse homem está grávido? – disse ao jovem, que quase caiu da cadeira. Virou então para o homem e continuou:

– O senhor me desculpe, prometo que isso nunca mais vai acontecer. Vou eu mesmo passar a sua compra. Você, rapaz, está dispensado.

O gerente tirou do bolso uma caixa com um botão, que ao ser apertado fez o rapaz ser ejetado da cadeira e jogado para fora do prédio. O gerente passou as compras do homem pelo leitor de código de barras e anunciou o valor total:

– Ficou em duzentos e quarenta reais

– Hmmm… posso pagar com uma mariola?

– Claro que não! Isso é um absurdo!

– Mas por quê?

– Ora, eu não tenho tantas jujubas pra te dar de troco!

***

Enquanto isso, um papagaio que a tudo presenciava virou-se para a madame ao lado e disse, consternado:

– Não acredito que perdi meu tempo prestando atenção nisso pra tudo acabar assim.

– Acabar como? – perguntou a madame.

– Assim.

 

nov 032016
 

 

mussarela

 

A lanchonete estava lotada, e por isso Bolívar se achou com sorte quando viu a mesa vaga no meio do apertado salão. Como os assentos eram todos muito próximos, ele pediu licença aos rapazes que estavam ao lado antes de se sentar, evidenciando seus modos de homem interiorano de meia idade.

Um desses moços vestia uma camisa verde, tinha barba rala e era baixo. O outro tinha pele bem clara, usava camisa polo azul e também tinha pouca barba. Ambos usavam botons de apoio à candidatura a um político engajado. E os dois estavam de mão dadas sobre a mesa.

Bolívar reparou nos rapazes, mas não se incomodou em dividir o espaço com o casal. Por estarem sentados tão próximos era possível ouvir que os moços conversavam normalmente sobre praia e faculdade, e Bolívar percebeu que não falavam nada de diferente de outros casais em um final de dia no Rio de Janeiro.

O garçom chegou rapidamente e anotou os pedidos de todos de uma só vez: dois pedaços de pizza de mussarela para os rapazes; um pedaço de pizza portuguesa para Bolívar. Os moços pediram suco, já o senhor, uma caneca grande de chopp.

Enquanto aguardava ser atendido, Bolívar refletiu como o mundo havia mudado nesses anos todos. Antigamente seria impossível que dois homens externassem ser um casal. E antes, certamente, ele teria se escandalizado com a situação. Mas agora ele estava na Cidade Maravilhosa e aprendia cada vez mais a conviver com a diversidade.

Para uma pessoa que sempre se definiu como um brucutu, não ter se importado com os rapazes gays era um grande avanço, e por isso Bolívar sentiu orgulho de si mesmo ao constatar seu progresso. Se até ele era capaz de respeitar as diferenças, quem sabe não haveria um momento em que todos pudessem ser mais tolerantes uns com os outros?

Enquanto divagava, os pedidos chegaram. Bolívar bebeu um longo gole de chopp e solicitou que o rapaz da camisa polo lhe passasse o azeite. Nesse momento, porém, o homem viu algo que o deixou transtornado e o fez levantar abruptamente. Enojado, disse rudemente para os rapazes:

– A minha tolerância tem limites!

O homem nascido no interior aprendera a respeitar as pessoas, por mais diferentes que fossem, mas ainda não estava pronto para presenciar a terrível imagem do rapaz da camisa verde colocar maionese e ketchup na pizza de mussarela.

Traumatizado, foi embora do Rio e nunca mais voltou.

 

 

.

out 112016
 

 

dois

 

Você se lembra como foi seu dia 20 anos atrás?

Geralmente não sei nem o que fiz ontem, mas daquela sexta-feira, 11 de outubro, eu não me esqueço: estava almoçando no Restaurante Universitário quando me contaram sobre a morte do Renato Russo. Desisti então de passar a tarde na biblioteca da faculdade e resolvi voltar para a república, que ainda era aquela na rua Prudente de Moraes. Cheguei a tempo de ver o Jornal Hoje e as várias reportagens que seguiram pelo dia, inclusive a do jornal Aqui Agora, com um texto banal e desinformado narrado sobre as imagens do clipe de Strani Amore.

“DOIS” foi o primeiro disco que comprei na vida, com o dinheiro que ganhei do meu avô como presente de aniversário. “MÚSICA DE ACAMPAMENTO” comprei para dar de presente de Natal, mas ao chegar em casa resolvi que ficaria com o disco para mim. “AS QUATRO ESTAÇÕES” eu tinha em fita K7, copiado do LP que meu primo ganhou de amigo secreto  – naquela mesma oportunidade eu ganhei uma fita com os maiores sucessos da Joana. Sério. “V” tem “Metal Contra as Nuvens”, que embalou a primeira grande dor de cotovelo que tive na vida.  “O DESCOBRIMENTO DO BRASIL” eu comprei no Carrefour. Também em fita em tive o primeiro LP (“LEGIÃO URBANA”) e “A TEMPESTADE” foi o primeiro que adquiri em CD.

Apesar desses discos todos, eu não poderia ser chamado de um verdadeiro fã. Nunca tive um pôster na parede, e deixei de ir aos shows quando tive oportunidade por achá-los caros demais. Também não acompanhava tudo sobre a banda e não sabia que Renato estava tão doente, por isso a minha surpresa com a notícia da sua morte.

Eu já disse alguma vez que “Tempo Perdido” é a grande música da minha geração. Impossível ouvi-la sem lembrar de coisas, de pessoas e histórias que se perderam pelo… tempo. E muitas outras músicas da Legião ainda mantém o apelo original, mesmo com as patacoadas que os membros sobreviventes têm realizado.

Não é possível saber como estaria Renato Russo hoje. Seria o grande porta voz das novas gerações? Seria um velho chato e amargurado como o Lobão? Estaria fazendo shows em festivais agropecuários cantando as mesmas canções do passado? Seria coxinha? Ou mortadela? O que temos como fato é que a Legião se mantém relevante e atual, o que é instigante e assustador. É só ouvir “Perfeição” para nos darmos conta de como ainda é impossível responder que país é esse.

Apesar dos vinte anos, a máxima ainda vale: Urbana Legio Ominia Vincit.